Feliz 2014

Carnaval festejado, a Copa do Mundo voltará ao centro das atenções. A Câmara dos Deputados deve reiniciar a apreciação da Lei Geral da Copa, com falsas polêmicas como bebida alcoólica nos estádios e meia-entrada para estudantes e idosos.

Por sua vez, o Executivo deve intensificar o jogo de cena que opõe a presidente Dilma Rousseff à Fifa – em nome da soberania nacional -, fumaça densa para tentar disfarçar o que não dá mais para esconder: o fracasso na gestão e execução dos projetos Pró-Copa. Todos, sem exceção, com atrasos. Alguns tantos, ficção que nem mesmo no papel estão.

As obras dos estádios, que concentram as maiores atenções, são as únicas que andam. Ainda assim, entre o atrasado e o atrasadíssimo.

A encrenca é tamanha que o governo Dilma já nem atualiza a rubrica Copa 2014 no Portal da Transparência. As últimas informações do Ministério dos Esportes – aquele das estripulias de Orlando Silva, hoje nas mãos de Aldo Rabelo, do mesmo PCdoB do ex-ministro guilhotinado – são de novembro. E revelam escandalosa ineficiência.

Já a Infraero informou, em janeiro, que Cuiabá e Curitiba nem mesmo conseguiram concluir os projetos das reformas de seus aeroportos. Em Belo Horizonte, Confins também indica execução zero.

A salva-pátria é que se conseguiu – e com êxito – privatizar os aeroportos de Cumbica, Viracopos e Brasília.

Portos, então, é um descalabro total. Nenhum sequer concluiu projetos básicos. Mucuripe (CE) deveria ter encerrado a fase de projeto em agosto do ano passado. Nada. O mesmo ocorre com os terminais marítimos de Manaus, Natal, Salvador, Rio de Janeiro e Santos. Recife, único em que o projeto básico dependia exclusivamente do governo estadual, andou um pouquinho: terminou essa fase, mas parou por aí.

Mas nada é tão grave quanto a mobilidade urbana, tida como maior – e talvez o único – legado que a Copa 2014 poderia deixar para as 13 cidades que sediarão os jogos. Apenas 2,14% dos R$ 12,4 bilhões previstos para intervenções nas cidades sedes foram executados até agora. Das 50 obras previstas, só 18 saíram das pranchetas. A maioria delas, timidamente.

Sobram motivos para a presidente, com sua fama de gestora implacável, estar espumando. Mas de nada adiantará Dilma fazer cara feia, espernear, berrar, bater na mesa. A ela só resta apostar no sucesso do improviso, nas quase imbatíveis gambiarras nacionais. Nesses casos, a custos estratosféricos para os contribuintes.

A esses, a todos nós, resta a torcida de que a seleção canarinho nos encha de alegria e nos poupe de um vexame ainda maior.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 26/2/2012.

Um Comentário

  1. LUIZ CARLOS
    Postado em 27/02/2012 às 6:39 pm | Permalink

    Estão contruindo um estádio em Brasília com capacidade para 71.000 pessoas. No último domingo tivemos um jogo aqui assistido por apenas sete torcedores. Não temos futebol em Brasília e quase todos torcem por times do Rio, São Paulo, etc. O estádio vai virar um enorme elefante branco.

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*