Cachoeira dá as cartas

O bicheiro Carlos Cachoeira, meliante conhecido, pródigo em distribuir e colher benefícios suspeitos entre gente de todos os partidos políticos e em todas as searas da República, é mesmo fenomenal. Um gênio.

Encarcerado em Mossoró desde o dia 29 de fevereiro, é ele, e ninguém mais, quem dá as cartas, muitas delas distribuídas, prévia e cuidadosamente, nos vazamentos a conta-gotas das escutas da Polícia Federal sobre a operação Monte Carlo.

Com uma rede vasta que vai do DEM ao PC do B, do PSDB ao PT, Cachoeira conhece o seu poder de fogo. Sabe o quanto vale uma única palavra sua, seja para inocentar ou afogar de vez alguém no lamaçal mais profundo.

Safo, até então não deu um pio. Talvez fale para quem der mais. A conferir.

Bandido de altas esferas, Cachoeira tem nada menos do que o ex-ministro da Justiça de Lula, Márcio Thomaz Bastos, respondendo por sua defesa. Ao custo de R$ 15 milhões.

O mesmo Thomaz Bastos que aconselhou o ex-ministro Palocci no episódio da quebra de sigilo do caseiro Francenildo. Que orientou a defesa do então assessor do ministro José Dirceu, Waldomiro Diniz, flagrado negociando propina de R$ 100 mil de ninguém menos do que Carlinhos Cachoeira. O mesmo Thomaz Bastos que defende mensaleiros.

Ou seja: quando a dor ultrapassa o calo e pode comprometer o corpo e a alma, ele, Thomaz Bastos, é chamado. E assim foi. De novo.

A contratação do ex-ministro é simbólica. Tem a rubrica de Lula e do PT, que tudo fazem para tentar se aproveitar do escândalo Cachoeira e, a partir dele, misturar todo o joio e o pouco trigo para amenizar o do mensalão, prestes a ser julgado pelo STF.

Acreditam ser possível demonizar a “direita” – encarnada no senador Demóstenes Torres (ex-DEM), uma personalidade que desafia até a psiquiatria de ponta -, e encrencar os tucanos, pelas ligações perigosas do governador de Goiás Marconi Perillo, o mesmo que avisou Lula sobre a existência do mensalão, muito antes de o esquema vir à tona.

Com instruções e aval do ex-presidente, o PT se movimenta. E sem qualquer constrangimento em rifar o governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz, petista novato. Que se dane perdê-lo se em jogo está purgar os males de Dirceus, Delúbios, João Cunhas.

Cachoeira continua entre grades. Há muitos que apostam que é possível monitorar danos enquanto Thomaz Bastos segurá-lo. Mas como bandidos não são confiáveis – os que depuseram confirmando recebimento de boladas mensais para votar com o governo Lula são prova disso -, há alguma luz no fim do túnel.

Triste país este, que depende da palavra de malfeitores para lavar a sua honra.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 15/4/2012.

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*