Dilma, Ano 1

Um ano de governo, Dilma está na praia e o Brasil virou a sexta economia do mundo.

Vamos comemorar? Vamos, mas com cuidado e um pouco de zelo.

Dilma na praia não tem nada demais. Chefes de Estado merecem e precisam tirar férias. Vão dizer que é mesquinharia reclamar dos R$ 650 mil usados para reformar a casa da base naval de Aratu onde ela está passando as férias, mas nas repúblicas é assim: a oposição reclama de tudo e é para prevenir-se disso e evitar esse falatório que a maioria dos chefes de Estado, cautelosamente, costuma passar as férias às suas próprias custas.

(Aliás, essas chiadeiras não acontecem apenas nas repúblicas. Os espanhóis descobriram agora que sua família real custa 8 milhões e 800 mil euros por ano e os quase 22% de desempregados do país não devem ter gostado muito da notícia. Ainda mais sabendo que o genro do rei andava se metendo em negócios suspeitos).

O que tivemos de inesquecível neste primeiro ano do governo Dilma, além da ascensão do país ao posto de sexta economia do mundo (que os desmancha-prazeres querem atribuir à inflação e ao real valorizado) e à substituição de sete ministros, seis dos quais abatidos por suspeitas do que a Chefe chama de “malfeitos”?

Saindo da ressaca de uma farra fiscal de ano eleitoral que fez o País crescer 7,5% , voltamos aos parâmetros usuais, que limitam as fronteiras do nosso crescimento ao padrão dos 3 a 4% ao ano. É mais do que a Europa e EUA em crise, o que seria um consolo se esse número não estivesse abaixo da média de crescimento dos países emergentes, que é com quem devemos nos comparar.

A área econômica do governo tratou apenas de administrar o varejo, aplicando medidas pontuais para evitar a desaceleração da economia , reduzindo impostos sobre alguns itens de consumo e anunciando medidas protecionistas para alguns setores da indústria, correndo o risco de premiar a ineficiência e castigar o consumidor.

Na área política, mesmo enfrentando a menor oposição que um governo teve desde a redemocratização, não foi capaz de se livrar da armadilha da chantagem de uma base aliada construída não sobre compromissos programáticos, mas sobre as bases fisiológicas do loteamento das áreas da administração pública.

Chegar a sexta economia do mundo e provavelmente a quinta dentro de uns cinco anos, como prevê o ministro Mantega, terá um significado apenas simbólico se isso não vier acompanhado de uma revolução estrutural que retire o país de um melancólico 84º lugar no Indice de Desenvolvimento Humano.

Crescer porque os outros estão encolhendo não é um grande mérito. O Reino Unido tem menos de um terço de nossa população e o PIB que conta, aquele que é medido por habitante, ainda é 3 vezes maior do que o brasileiro.Ser a sexta economia do mundo com 56% dos domicílios não ligados à rede de esgotos não chega a ser motivo de orgulho.

Em seu primeiro ano, Dilma impôs um estilo mais sóbrio e recatado do que aquele do seu antecessor. Será bom para todos se nos próximos 3 anos ela trocar de vez o triunfalismo oco pelo trabalho de construir um país que seja o sexto do mundo de verdade.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 30/12/2011.

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*