Covardia

Quem poderia dizer que o adjetivo covarde definiria o presidente Jair Bolsonaro, aquele que sempre posou de machão. Nos palanques ele desdenha dos mais de 135 mil mortos pela Covid-19 e dos brasileiros que seguem as regras sanitárias – “ficar em casa é conversinha mole para fracos”. É o atleta que desafiou a pandemia, o valentão que não tem papas na língua. Mas no Planalto é um presidente relutante e medroso, atormentado por invencionices conspiratórias, sem qualquer preparo ou gosto pela governança, para a qual ele e o seu time são os maiores impedimentos. Continue lendo “Covardia”

Longas histórias da cabeça de Marina

Já faz algumas semanas que as brincadeiras de Marina conosco, sua vontade de criar histórias para nos contar, já não cabem mais nas telenetadas de 1 hora e meia por dia, de segunda sábado. Espalharam-se também em vídeos que ela faz e nos manda, depois que falamos o tchau de todos os dias. Continue lendo “Longas histórias da cabeça de Marina”

Espairecendo!

Depois de sete meses em casa, saindo só para o basicão mesmo, resolvi dar uma incerta para conferir se os integrantes do MSAP – Movimento dos Sem Apartamento na Praia – ainda não tinham invadido o meu. Continue lendo “Espairecendo!”

A diplomacia de Bolsonaro é contra o Brasil

Não há uma única área que tenha sido poupada pela onda de destruição, de envenenamento, de empesteamento que é a marca do bolsonarismo. Os esforços do presidente e seu grupo para não deixar de pé nada do que de positivo o Brasil conseguiu construir vão em todas, absolutamente todas as direções. Continue lendo “A diplomacia de Bolsonaro é contra o Brasil”

Ventos ruins e sopros de esperança

Uma década depois da instituição do Dia Mundial da Democracia, 15 de setembro de 2010, o mundo está submerso em uma recessão democrática, que pode se aprofundar nestes tempos de pandemia, como alertou manifesto assinado por 160 intelectuais da América Latina e ex-presidentes, entre os quais Fernando Henrique Cardoso, Tabaré Vázquez, José Mujica e Mauricio Macri. O marco temporal do recuo da democracia é 2006, quando aumentou o número de países de índole autoritária e de democracias de baixa qualidade. Continue lendo “Ventos ruins e sopros de esperança”

Fogaréu

Acho que tem a ver com muito tempo de confinamento, sob o noticiário da tevê e do celular, o fato de minha coerência estar indo para o espaço, junto com a lucidez e o senso crítico. Cheguei ao ponto de misturar realidade com o absurdo despejado por bárbaros nos meios de comunicação. Continue lendo “Fogaréu”

Os zumbis

O calendário gregoriano garante: estamos em 2020. Somos sobreviventes (ainda) de uma pandemia avassaladora que infectou quase 30 milhões de pessoas no mundo, matou 911 mil, 130 mil delas no Brasil. Mas os protagonistas políticos tropicais – e outra meia dúzia de neopopulistas resistentes – teimam em ressuscitar pragas do século passado e de antes disso. De um lado e de outro, nos extremos de direta e esquerda. Continue lendo “Os zumbis”

Ao Deus dará

Dois meses depois da posse do ministro Milton Ribeiro, pouca coisa mudou. É verdade que a retirada de Abraham Weintraub da sala tornou o ar mais respirável.  Nem por isso a Educação deixou de padecer da ausência de uma liderança capaz de criar um amplo consenso nacional em torno da prioridade que a ela deve ser dada. Em especial nestes tempos de pandemia. Continue lendo “Ao Deus dará”

A maior das crueldades do bolsonarismo

Da imensa quantidade de medidas insanas, idiotas, obscurantistas, reacionárias, anti-vida, tomadas pelo desgoverno Jair Bolsonaro nestes tristes, deprimentes, pavorosos 19 meses, creio que nenhuma consegue reunir tanta crueldade, tanta desumanidade, tanto ódio à vida, à luz, quanto a Portaria 2.282/20, assinada no final de agosto pelo general de brigada intendente Eduardo Pazuello. Continue lendo “A maior das crueldades do bolsonarismo”

Livres e soltos

Corrupção não é invenção nacional. Mas o Brasil, mesmo tendo avançado na condenação de poderosos, mantém a patente da couraça para políticos e endinheirados. A blindagem legal afrouxa ou prorroga processos até a sua prescrição, reduz penas e os tira da cadeia com celeridade. Inclusive aqueles prontos a reincidir no delito. Continue lendo “Livres e soltos”