Primavera. Mas…

A primavera chega, mas nada acontece! Os jardins, os parques não explodem em flores, a relva não nos oferece esplêndidos tapetes esmeraldinos, como, na primeira hipótese, poderia acontecer em um desenho animado; e, na segunda, no texto de algum livro antigo. Continue lendo “Primavera. Mas…”

Sucralose pode?

O sujeito pára diante da prateleira do supermercado e olha para os adoçantes à sua frente. A mulher tinha alertado, umas semanas atrás, que um tipo de adoçante não podia. Mas qual, diacho? Continue lendo “Sucralose pode?”

Ambiente turvo

A Cúpula do Clima das Nações Unidas que começa amanhã e a 74ª Assembléia Geral a ser aberta pelo presidente Jair Bolsonaro, dia 24, acontecem no rastro da maior manifestação global da História, que, na sexta-feira, reuniu bilhares – jovens, na maioria – nas ruas de mais de 150 países, incluindo o Brasil. Continue lendo “Ambiente turvo”

Saco Sem Fundo, Partidário!

Semana cheia de brigas entre correligionários de um mesmo partido, de traições (PSL deixou Witzel com a escada e a broxa na mão lá no Rio. Brochante isso, né governador? Não adiantou nada fazer arminha com a mão durante a campanha), de alta hospitalar do presidente no momento em que cagou e andou (de novo) e de muita polêmica em torno da votação das mudanças eleitorais que envolvem o Fundo Partidário. Continue lendo “Saco Sem Fundo, Partidário!”

A Temer o que é de Temer

Eu gostaria de ter escrito o artigo do professor de Filosofia da UFRGS Denis Lerrer Rosenfield publicado no Estadão desta segunda-feira, 16/9. O texto faz críticas ao governo Bolsonaro, e embaixo de críticas ao governo Bolsonaro – quaisquer que sejam elas –, eu assino com convicção. Continue lendo “A Temer o que é de Temer”

Brazil abaixo de tudo

Não há comprovação alguma da força eleitoral de um boné. Mas os candidatos e mandatários  adoram a peça. Para cada ocasião o capelo ganha um apelo. Não raro, patético, exposto pelo político apenas para exibir o que imagina saber que o público da ocasião deseja. Continue lendo “Brazil abaixo de tudo”

Sem ele não tem artigo

Prezado editor: informo que esta semana não vou mandar minha colaboração, por falta de assunto impactante. Com a internação de Bolsonaro, fiquei sem as bombas que ele soltava, às vezes logo cedo, ao deixar o Planalto, e durante o dia.  Eu me acostumei com essa matéria-prima rica que, por incrível que pareça, nunca faltava. Continue lendo “Sem ele não tem artigo”

Elementar, meu caro Washington!

Sempre fui aficionada por histórias policiais, em especial as criadas pela imbatível Agatha Christie e pelo genial Georges Simenon. Agatha nos presenteou com Hercule Poirot e com Miss Marple e Simenon, com o comissário Maigret. E todos esses personagens deixaram lições e fizeram brotar uma semente de curiosidade em quem acompanha suas trajetórias.
Com eles, aprendi que uma cena ou uma foto publicada sempre revela algo mais do que aquilo que estamos vendo. Continue lendo “Elementar, meu caro Washington!”

Positivismo tosco

A idéia da necessidade de um regime autoritário para servir de alavanca para o progresso está nas raízes da fundação da nossa República. Antes mesmo de sua proclamação, o caudilho gaúcho Julio de Castilhos propugnava que o governante deveria ser escolhido por qualidades morais e não pela representação popular. Entendia que esse governante deveria regenerar o Estado e comandar a modernização da sociedade. Continue lendo “Positivismo tosco”

As duas metades de um corpo

Quem cantou o Sexo Todo Poderoso foi Edna St. Vincent Millay. Cantou-o em verso e em público, na cama e fora da cama. A mãe dela, Cora, despachou um pai impertinente e, sozinha, criou Edna e as irmãs com hinos à natureza humana. Com a franqueza e sinceridade que nenhum ministro das finanças, nem mesmo o nosso heróico Centeno, há-de ter, Cora disse isto um dia: “Sou uma slut e criei as minhas filhas para serem umas sluts.” Continue lendo “As duas metades de um corpo”

Tem boi na linha!

“Tem gente que acredita em Saci Pererê, Boi Tatá e Mula Sem Cabeça”, escreveu o nosso inefável ministro da Educação, Abraham Weintraub. Para completar: “E tem gente que acredita no Datafolha.”  Que coisa, o ministro fala de um boi chamado Tatá. Tem boi na linha! Continue lendo “Tem boi na linha!”