No coração do Rio

Como sempre fazia, entro na Da Vinci e vou até o fundo, para, antes de ‘viajar’ pelas prateleiras, cumprimentar dona Vanna. E quem encontro sentado em altas negociações com a livreira?  Luis Antonio, “sobrinho” querido, filho de amigos da vida inteira, então com menos de 15 anos, a negociar os pagamentos dos livros de Astérix que levava e dos que encomendava. Ler Mais »

Indignação S/A

A mão invisível do mercado, como a chamava Adam Smith, aprontou mais uma das suas.

Alguém se lembra do Occupy Wall Street? Claro que sim. Por via das dúvidas, vamos procurar a definição de domínio público registrada para a posteridade na democrática Wikipedia: Ler Mais »

Universo Pollyanna

Pollyanna, aquela garota pobre imortalizada por Eleonor Porter num dos maiores clássicos da literatura infanto-juvenil, vivia em universo próprio. Desejava receber uma boneca de presente, mas ganhou um par de muletas. Para não vê-la triste, seu pai lhe aconselhou a ficar satisfeita pelo fato de não precisar de muletas.

Ler Mais »

Quando os Repórteres Usavam Revólveres (3)

O que acontece na sala de imprensa? A barulheira das máquinas de escrever cessou. Foi-se o burburinho das conversas cruzadas sobre as cabeças. Os olhares desfocam as laudas; transferem-se para a porta. Aqui, emoldurada pelos batentes, está uma deusa.

(Para ler o capítulo anterior, clique aqui.)  Ler Mais »

Andas a dormir com a minha filha?

zzzzzzmanuel1

O pre­da­dor que há, ou havia, em Jack Nichol­son tem des­culpa, esti­mada lei­tora. Já viu, se um dia des­co­brisse, como ele, que a tinham enga­nado sobre o seu nas­ci­mento? A sua mãe era, afi­nal, a que pen­sava ser sua irmã e a que­rida mãe muito amada era, na ver­dade, sua avó. Ler Mais »

Fafá, uma emoção

É uma pena que tenham sido apenas três apresentações do show de Fafá de Belém no projeto Sala de Estar, do Sesc Pompéia. Quem viu, viu, quem não pôde não terá a oportunidade de ver – e é impressionante como Fafá tem uma legião de fãs absolutamente apaixonados. Ler Mais »

O capitalismo não respeita nem a mãe

Neste Mês das Mães, dê para a sua uma tampa de privada. A Folha de sexta-feira, 22, trazia sobrecapa com propaganda de uma loja de materiais para construção. Destaque: “Mês das Mães. Ofertas incríveis para surpreender sua mãe”. E vinham os materiais à venda, com fotos. Ler Mais »

Corte sem corte

Quase R$ 70 bilhões. Ainda que inferior ao desejo do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, o contingenciamento anunciado sexta-feira no Orçamento da União – o maior da história – impressiona. As lâminas chegaram à Educação e à Saúde, em obras do PAC, e até na menina dos olhos da presidente Dilma Rousseff, o programa Minha Casa, Minha Vida. Mas, de novo, não se viu corte algum no custeio, no tamanho da máquina que não para de inchar. Ler Mais »

Guerras sem trégua

No dia em que foram oficialmente inaugurados os Anéis Olímpicos aqui no Rio, morreu um médico assaltado a facadas nas margens da Lagoa Rodrigues de Freitas. Ler Mais »

Se Pasadena ofende

Quando a presidente Dilma defenestrou Graça Foster da presidência da Petrobrás e nomeou para o lugar Aldemir Bendine, ex-presidente do Banco do Brasil, parecia que a maior empresa brasileira, combalida pela roubalheira e a má gestão, estava sendo preparada para disputar o campeonato mundial de transparência. Ler Mais »

Pátria Educadora na lanterna

O Brasil segue colecionando vexames nos rankings mundiais da educação. Não andamos de lado, andamos para trás. Ler Mais »

“Bem-aventuradas as pessoas de bom texto”

“Tomou o rumo da Praça Júlio Mesquita. Ali estava o Filé do Moraes, onde tantas vezes jantara com amigos de sempre e amigas de ocasião.” Ler Mais »

Quando os Repórteres Usavam Revólveres (2)

Um filete de sangue escorreu sob a porta de um apartamento, num prédio muito falado no bas-fonds. O risco vermelho avançou cinco centímetros pelo corredor do terceiro andar. Era um sinal tão pequeno que demorou muito para ser notado.

(Para ler o capítulo anterior, clique aqui.)  Ler Mais »

O avião de Meg Ryan

zzzzzzmanuel9

O medo de voar fica bem a Meg Ryan. Sem o medo de voar, Meg nunca teria per­dido o pri­meiro namo­rado, em French Kiss. E, se não tivesse feito das tri­pas cora­ção para supe­rar o medo de voar, Meg Ryan nunca teria encon­trado o Kevin Kline expert em vinhos e quei­jos, aven­tu­reiro que dá à sua tez loira um pouco da morena ani­ma­li­dade que bem falta lhe faz. Ler Mais »

A política do absurdo

O desgoverno da presidente Dilma Rousseff, ápice dos 12 anos de domínio petista sobre a máquina pública, tem agido como fertilizante na produção de absurdos políticos. Tudo está ao avesso. Dentro da lama e de costas para o país. Ler Mais »