A loucura não é normal

A canção “Paciência”, de Lenine, explica bem o momento em que vivemos. O Brasil não tem tempo a perder, mas Bolsonaro finge que é normal um presidente atentar contra a harmonia entre os três poderes ao divulgar em seu twitter mensagem com ataques ao Congresso e ao Supremo Tribunal Federal. Não satisfeito, repetiu a dose três dias depois, culpando a classe política pelos males do Brasil. Continue lendo “A loucura não é normal”

As bombas atómicas de Palomares

É que nem Deus aceitava. Francisco lembra-se. Humilde e cristão, chegou-se a Nosso Senhor com um prato de vermelhíssimos camarões de Palomares: “Aceita Senhor, Bom Deus!” E logo o poliglota patriarca das barbas, com um vozeirão que tomara Pavarotti, declinou: “Pues, Paco, hijo mio, no gracias, que te hagan buen provecho.” Continue lendo “As bombas atómicas de Palomares”

Parque, o Minhocão já é. Quando tiver dinheiro, é derrubar

Aos 69 anos bem vividos, bem fumados e bem bebidos, participei pela primeira vez de uma prova de 5 quilômetros, uma Track & Field Run Series. A saída e a chegada eram no Memorial da América Latina, e praticamente todos os 5 quilômetros eram no Minhocão – desde o Largo Padre Péricles, em Perdizes, até a altura da Marquês de Itu, já em Santa Cecília, junto do Centro. Ida e volta.

Continue lendo “Parque, o Minhocão já é. Quando tiver dinheiro, é derrubar”

O menos ruim é não fazer nada com o Minhocão

Se eu pudesse fazer um pedido, uma sugestão ao prefeito Bruno Covas, seria assim: – “Pô, Bruno, desista dessa idéia de Parque Minhocão, vai. Pense melhor. Se você anunciar que abandonou a idéia, que vai encaminhar para que  sejam feitos mais estudos, pesquisas, tenho a certeza de que esse será um grande legado para a cidade.” Continue lendo “O menos ruim é não fazer nada com o Minhocão”

Nem o construtor suporta o Minhocão

O Estadão deste sábado, 18, abriu uma arte em seis colunas na primeira página sobre o Elevado João Goulart, ex-Elevado Costa e Silva, o Minhocão. A reportagem é sobre a tentativa de se produzir um fenômeno que vem sendo tentado ao longo dos anos. Transformar o elevado em uma aprazível passarela de lazer. Continue lendo “Nem o construtor suporta o Minhocão”

Chutando paus e barracas

Não é coincidência, muito menos caso impensado. Na mesma semana em que o filho Flávio se enroscou ainda mais nas investigações que apuram movimentações suspeitas em dinheiro vivo dos tempos em que o 01 era deputado estadual, o pai presidente eleva o tom de ódio e recrudesce as relações com o Parlamento, ao qual diz não pretender se “sucumbir”. Continue lendo “Chutando paus e barracas”

Meia-volta volver?

Vozes respeitáveis pregam a saída dos militares do governo. Em artigo, o sociólogo Demétrio Magnoli rememora batalhas épicas, nas quais a vitória veio depois do recuo tático, para aconselhar nossos militares a se retirar do governo “antes que seja tarde”. Continue lendo “Meia-volta volver?”

Maravilhosa Doris

Há quem menospreze Doris Day. Em especial quem conhece pouco ou quase nada de sua longa, extraordinária carreira, tanto na música quanto no cinema. Em especial entre aquelas pessoas de narizinho empinado que dizem adorar “cinema de arte” e detestar “cinema americano”. Continue lendo “Maravilhosa Doris”

O homem com a muleta

Ao colocar o pé no terceiro degrau da escada, saindo da portaria do meu prédio, vi o homem. Estava do outro lado da rua, inerte; parecia ter estado assim havia semanas. No entanto, mal toquei a calçada, fez um gesto. Apanhou uma bengala, largada na mureta da casa em frente, e pôs-se a caminhar. Continue lendo “O homem com a muleta”

Governo em autocombustão

Em um texto publicado no Twitter na última quinta-feira, o vereador Carlos Bolsonaro convoca a população para, “respeitosamente”, acordar. Com seu usual português ruim, o filho 02 alerta: “As coisas estão todas invertidas e muitos ainda não percebem! O problema não é de governo, é de nação! Mesmo que me custe algo maior, não me preocupa meu futuro político, mas com o que muitos estão caindo e o amanhã livre pode não existir.” No dia seguinte, não menos enigmático, o pai presidente diz que poderá enfrentar um tsunami nesta semana. Continue lendo “Governo em autocombustão”

Meu primeiro som

Tive meu primeiro som, som mesmo, de verdade, aos 23 anos de idade – e os primeiros discos que comprei para ouvir nele foram Peter, de 1971, o primeiro álbum solo de Peter Yarrow, que era solo mas tinha Paul e Mary cantando com ele, e Come From the Shadows, de 1972, o primeiro de Joan Baez para sua nova gravadora, a A&M. Continue lendo “Meu primeiro som”

O presente do capitão para o Dia das Mães

O capitão Bolsonaro dorme com uma arma na cabeceira de sua cama. Em qualquer cama onde ele durma, até na do Palácio da Alvorada. Foi o que ele disse. Do que será que ele tem medo? De aloprados que sonham em assaltar o palácio ou de inimigos cujo maior desejo é derrubar seu governo? Continue lendo “O presente do capitão para o Dia das Mães”